Desenvolvimento de colaboradores tímidos.

Este é um texto para quem é tímido, mas para quem não é também, afinal de contas eu duvido que você nunca tenha sido tímido ou nunca tenha conhecido alguém tímido na vida.

Falar de timidez ao meu ver é bastante pertinente, tendo em vista que esse é um traço da personalidade do ser humano que é muito comum, inclusive, até animais apresentam traços de timidez em seu comportamento. Conheço muita gente tímida, já fui tímido, ainda sou tímido às vezes, e percebo como a timidez vive rondando o mundo o tempo todo rs.

Em 2013 tive o prazer de realizar uma pesquisa sobre desenvolvimento de colaboradores tímidos face a quantidade de pessoas que eu conheço que já foram demitidas, pois em determinado momento de suas carreiras precisaram ter um comportamento mais desinibido e a timidez atrapalhou. Refletir sobre essa questão é bastante importante, uma vez que inúmeras situações estão envolvidas na questão é merecem ser analisadas com cautela.
Demitir um funcionário não é uma tarefa fácil tampouco barata. Do ponto de vista da Empresa, tomar essa decisão envolve correr o risco de não ter a estratégia aceita por demais integrantes da equipe, implica em perder conhecimento já investido em quem sai da empresa, a Organização corre o risco de ser tachada como tendo má gestão, etc. Ou seja, demitir um colaborador mexe com a motivação, comportamento e clima da empresa ou equipe. Do ponto de vista do profissional, não é preciso dizer muito né… sabemos que estamos em meio à uma crise, este terá que iniciar suas atividades em outra empresa e provar que é bom no que faz, novamente terá que enfrentar o medo, angústias, novas cobranças, enfim, terá que conquistar um espaço que à princípio já havia no antigo emprego.

Voltando à questão da timidez em si, Grosso modo podemos conceituá-la como um desconforto social e dificuldade de interação que acarreta em prejuízos para várias áreas da vida. De um modo geral, a timidez leva a pessoa agir como se tivesse medo de “pessoas”, pois o tímido geralmente evita contato com o outro e situações que os levam à contato ou exposição social.

Na pesquisa desenvolvida em 2013 trabalhei com dois autores que se contrapunha, mas que me serviram de base para o entendimento sobre a timidez e a visão dela academicamente:

Zimbardo diz que a timidez é um problema pessoal que pode ser considerada uma doença social: “A timidez é um problema pessoal insidioso que está a tomar proporções de tal forma epidêmicas que pode ser justificadamente considerada uma doença social.” (ZIMBARDO, 2002, p.13.)

Giovana Axia, compreende a timidez como um dote precioso da nossa natureza, ou seja, a mesma interpreta a timidez como sendo algo comum em nós, assim como é normal ter olhos azuis ou castanhos. “A timidez não é uma enfermidade que precise ser curada ou uma deficiência a ser superada pela força de vontade e pelo autoconvencimento racional. A timidez é uma condição humana, é um aspecto vulnerável, frágil e precioso da humanidade. Todos nós, de modo mais ou menos consciente, sabemos que a timidez tem qualquer coisa de raro e nobre em si mesma“.(AXIA, 2003, p.16.)

Conceitualmente concordei com ambos os autores, pois embora a timidez possa ser uma característica normal em nós, ou seja, não ser uma doença que precise ser arrancada, pode em determinado momento também tornar-se patológica e com isso necessitar de atendimento especializado, seja de um psicólogo ou até de um médico.

Levando em consideração as complicações apresentadas acima e a premissa de que a demissão deve ser a última coisa a ser feita, uma boa proposta é a de que os colaboradores tímidos passem por sessões de coaching a fim de que possam desenvolver habilidades sociais e consequentemente ter melhor desenvoltura em algumas atividades, como, por exemplo, em reuniões. Se você não sabe o o que é treinamento de habilidade social continue acompanhando nosso site que em breve publicaremos um texto sobre o tema.

Através das sessões de coaching de habilidades sociais o profissional tímido pode aprender técnicas que o auxilie nas atividades do dia a dia, fazendo com que ele e a própria empresa percebam os resultados de forma prática. O treinamento de habilidades sociais é uma prática da Psicologia e tem alcançado bons resultados face as dificuldades sociais que algumas pessoas apresentam. Interessante também frisar que é uma prática desenvolvida por psicólogos em parceria com outros profissionais e que o treinamento de relacionamento interpessoal bastante conhecido dentro das empresas pode ser utilizado com essa finalidade também, ou seja, auxiliar no desenvolvimento de colaboradores timidos.

Para finalizar, acho interessante apresentar parte da pesquisa que foi realizada através de entrevista com 34 profissionais de atendimento (Call center) em que 50% dos colaboradores se autodeclararam tímidos, 85% dos que se declararam como não tímidos reconheceram que já foram um dia, 41% dos entrevistados disseram que a timidez os prejudica profissionalmente e 58% informaram nunca ter participado de curso na empresa sobre relacionamento interpessoal. Esses dados comprovam o quanto a questão necessita de atenção, sobretudo, de profissionais de Psicologia e Recursos Humanos.
Referências:

AXIA, Giovanna. A timidez: Um dote precioso do patrimônio genético humano. São Paulo: Paulinas: Loyola, 2003.

ZIMBARDO, Philip G. A Timidez. Lisboa: Edições 70, 2002.

PRETTE, Zilda; PRETTE, Almir (Org). Estudo sobre habilidades Sociais e relacionamento Interpessoal. 1. Ed. Casa do Psicólogo, 2006.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s